Friday, August 30, 2002

Aniversário Rafa!!!

Amor, Parabéns! Feliz Aniversário! Te amo!

Desejo a você...
Fruto do mato
Cheiro de jardim
Namoro no portão
Domingo sem chuva
Segunda sem mau humor
Sábado com seu amor
Filme do Carlitos
Chope com amigos
Crônica de Rubem Braga
Viver sem inimigos
Filme antigo na TV
Ter uma pessoa especial
E que ela goste de você
Música de Tom com letra de Chico
Frango caipira em pensão do interior
Ouvir uma palavra amável
Ter uma surpresa agradável
Ver a banda passar
Noite de lua cheia
Rever uma velha amizade
Ter fé em Deus
Não ter que ouvir a palavra Não, nem Nunca, nem Jamais e Adeus
Rir como criança
Ouvir canto de passarinho
Sarar de resfriado
Escrever um poema de amor que nunca será rasgado
Formar um par ideal
Tomar banho de cachoeira
Pegar um bronzeado legal
Aprender uma nova canção
Esperar alguém na estação
Queijo com goiabada
Pôr-do-Sol na roça
Uma festa
Um violão
Uma seresta
Recordar um amor antigo
Ter um ombro sempre amigo
Bater palmas de alegria
Uma tarde amena
Calçar um velho chinelo
Sentar numa velha poltrona
Tocar violão para alguém ouvindo a chuva no telhado
Vinho branco com Bolero de Ravel
E muito carinho meu...

Carlos Drummond de Andrade

Thursday, August 22, 2002

22 de Agosto - 1 mês de namoro

Quem não tem namorado é quem não tirou férias remuneradas de si mesmo. Namorado é a mais fácil das conquistas. Difícil porque namorado de verdade é muito raro. Necessita de adivinhação, de pele, de saliva, lágrimas, nuvens, quindim, brisa ou filosofia. Paquera, gabiru, flerte, caso, transa, envolvimento, até paixão é fácil. Mas namorado, mesmo, é difícil.

Namorado não precisa ser mais bonito, mas aquele a quem se quer proteger e quando se chega ao lado dele a gente treme, sua frio e quase desmaia pedindo proteção. A proteção dele não precisa ser parruda, decidida, ou bandoleira; basta um olhar de compreensão ou de aflição.

Quem não tem um namorado não é quem não tem um amor; é quem não sabe o gosto de namorar. Se você tem três pretendentes , dois paqueras, um envolvimento e dois amantes, mesmo assim pode não ter um namorado.

Não tem namorado quem não sabe o gosto da chuva, cinema sessão das duas, medo do pai, sanduíche de padariaou drible no trabalho.

Não tem namorado quem transa sem carinho, quem se acaricia sem vontade de virar sorvete ou lagartixa e quem ama sem alegria.

Não tem namorado quem faz pactos de amor apenas com a infelicidade. Namorar é fazer pactos com a felicidade ainda que rápida, fugida ou impossível de durar.

Não tem namorados quem não sabe o valor de mãos dadas; de carinho escondido na hora em que passa o filme; de flor catada no muro e entregue de repente; de poesia de Fernando Pessoa; Vinícius de Moraes ou Chico Buarque lida bem devagar; de gargalhada quando fala junto ou descobre a meia rasgada; de ânsia enorme de viajar junto para a Escócia ou mesmo de metrô, bonde, nuvem, cavalo alado, tapete mágico ou foguete interplanetário.

Não tem namorado quem não gosta de dormir agarrado, fazer cesta abraçado, fazer compra junto.

Não tem namorado quem não gosta de falar do próprio amor, nem de ficar horas olhando o mistério do outro dentro dos olhos dele, abobalhados de alegria pela lucidez do amor.

Não tem namorado quem não redescobre a criança própria e do amado e sai com ela para parques, fliperamas, beira d'água, show do Milton Nascimento, bosques enluarados, ruas
de sonhos ou musical a metro.

Não tem namorado que não tem música secreta com ele, quem nunca dedica livros, quem não corta artigos, quem não chateia com o fato do seu bem ser paquerado.

Não tem namorado quem ama sem gostar. Quem gosta sem curtir; quem curti sem aprofundar.

Não tem namorado quem nunca sentiu o gosto de ser lembrado de repente no fim de semana, na madrugada, ou no meio dia de sol em plena praia cheia de rivais.

Não tem namorado que ama sem Se dedicar, quem namora sem
brincar; quem vive cheio de obrigações; quem faz sexo sem esperar o outro ir junto com ele.

Não tem namorado quem confunde solidão com ficar em paz. Não tem namorado quem não fala sozinho, não ri de si mesmo e quem tem medo de ser afetivo.

Se você não tem um namorado é porque não descobriu que o amor é alegre e você vive pensando duzentos quilos de grilos e de medo, ponha a saia mais leve, aquela de chita, passeie de mãos dadas com o ar. Enfeite-se com margaridas e ternura e escove a alma com leves fricções de esperança. De alma escovada e coração estouvado, saia do quintal de si mesmo e descubra o próprio jardim. Acorde com gosto de caqui e sorria lírios para quem passar em baixo da sua janela. Ponha intenção de quermesse em seus olhos e beba licor de contos de fada. Ande como se o chão estivesse cheio de sons de flauta e do céu descesse uma névoa de borboletas, cada qual trazendo uma pérola falante a dizer frases sutis e palavras de galantearias.

Se você não tem namorado é porque não enlouqueceu aquele pouquinho necessário a fazer a vida parar e de repente parecer que faz sentido. Enlou-cresça.

Carlos Drummond de Andrade

Tuesday, August 13, 2002

Certaza que vce vai ser so minha na verdade URARARARA (risada diabolica)

Te adoro....contando os dias Isa
beijos

Monday, August 12, 2002

Só para fcar registrado que hoje - 12/08/2002 - falei com meu gerente que disse SIM para minhas férias. Ebaa! Portanto anota ai: do dia 21/09 ao dia 06/10 vc é todinho meu, ou eu sou todinha sua, humm.... a ordem dos fatores não altera o produto que no caso é muito beijo, abraço, cafuné, colinho, massagem, amor, soninho, ... e tudo de bom.
Portanto a partir de hoje faltam : 40 dias.

Thursday, August 08, 2002

Peculiaridades para ficar aqui no nosso blog e a gente poder ler sempre.

Nos conhecendo:

1-VIVENDO COM QUEM?
Rafa: Com o *#)!*@)*# do meu irmão.
Isa: Com meus pais e minha irmã.

2-QUE LIVRO ESTA LENDO AGORA?
Rafa: Man and his symbols, Carl Jung
Isa: Homens são de Marte, Mulheres são de Vênus

3-CHEIROS FAVORITOS?
Isa e Rafa: Vários. Tem cheiros que te lembram boas coisas e tem cheiros que prometem boas coisas...

4-SOM FAVORITO
Rafa: Rock Progressivo
Isa: MPB

5-PIOR SENTIMENTO NO MUNDO?
Rafa: De ser traído em qualquer aspecto, mesmo quando você mesmo se trai.
Isa: Ciúmes e inveja.

6-QUAL A PRIMEIRA COISA QUE VOCÊ PENSA QUANDO ACORDA PELA MANHÃ?
Rafa: Cadê o maldito botão de snooze para eu procrastinar mais 10 minutos aqui na cama !! (heheeh)
Isa: Sei lá acho que de manhã nem penso (rs) e qdo penso cada dia é uma coisa.

7-MONTANHA RUSSA: ASSUSTADORA, EXCITANTE, OU...?
Rafa: Uma das melhores coisas que existem !!!
Isa: detesto. Morro de medo, de tontura, de enjôo,...

8-QUANTOS TOQUES DO TELEFONE ANTES QUE ATENDA?
Rafa: depende da distancia, do saco, se estou esperando alguém ligar, etc
Isa: até eu chegar até ele

9-NOME DO (A) FILHO (A) NO FUTURO?
Rafa: Giovanna aprovado Isa, o nome dos garotos.. humm...ai conversamos...
Isa: Menina- Giovanna / Menino: João Pedro ou Thomaz

10-COMIDA FAVORITA?
Rafa: Italiana
Isa: Massa

11-VOCÊ GOSTA DE DIRIGIR RÁPIDO?
Rafa: Já foi época, hoje estou sempre na boa...sem pressa.
Isa: Gosto.

12-VOCÊ DORME COM BICHO DE PELÚCIA?
Isa e Rafa: Não

13-TEMPESTADES - LEGAIS OU ASSUSTADORAS?
Rafa: Sempre legais....ate para lembrar da época em que para você elas
eram assustadoras.
Isa: indiferente desde que eu não esteja na rua...

16-SE VOCÊ PUDESSE ENCONTRAR ALGUÉM MORTO OU VIVO QUEM SERIA?
Rafa: Poxa, todo mundo que eu gosto e que já se foi.
Isa: Meu pai Fernando e meu avô Manoel

17-BEBIDA FAVORITA?
Rafa: Baileys
Isa: Ice tea com limão

18-QUAL SEU SIGNO?
Rafa: Virgem
Isa: Áries

19-SE VOCÊ PUDESSE TER QUALQUER EMPREGO QUE QUISESSE QUAL SERIA?
Rafa: Gostaria de ficar viajando o mundo inteiro fazendo artigos sobre os lugares.
Isa: em alguma produtora de filmes de Hollywood mas me daria bem tb como socialite (rs)

20-SE VOCÊ PUDESSE COLORIR SEU CABELO DE QUALQUER COR?
Rafa: Já colori, já fui loiro uma vez, ou melhor, passei blondor no meu cabelo inteiro, que na época, ia ate o meio das costas. (hahahaahh..essa você não sabia né Isa)
Isa: Não pintaria, no máximo faria umas luzes

21-JÁ ESTEVE AMANDO?
Isa e Rafa: Claro

22-E NO MOMENTO, ESTÁ APAIXONADO (A)
Isa e Rafa: Estou sim :)

23-O COPO ESTÁ MEIO VAZIO OU MEIO CHEIO?
Rafa: Sempre meio cheio
Isa: Sei lá... na metade.

24-FILMES FAVORITOS?
Isa e Rafa: Tem uma lista enorme.

25-VOCÊ É CANHOTO (A) OU DESTRO (A)?
Rafa: Canhoto
Isa: destra

26-VOCÊ ACERTA OS DEDOS NAS TECLAS?
Rafa: Depois de trabalhar na Kibon como digitador, faz uns 12 anos que eu nem olho para elas para digitar, para falar a verdade, se eu digitar de olhos fechados, eu ainda sim digito corretamente. (como fiz nessa frase inteira) (tudo bem vai, essa foi metido demais...ahahah)
Isa: Nunca – sou catadora oficial de milhos no teclado J

27-O QUE TEM EMBAIXO DA SUA CAMA?
Rafa: com 7 anos:Uma coleção de monstros horrorosos, tenebrosos e assustadores,
com 13 anos: uma coleção de revistas de mulher pelada
com 23 anos: uma porção de camisinhas
com 33 anos: uma porção de calcinhas
atualmente, minha blusa do pizza hut, um pe de meia perdido, dois tickets do metro, e o carpete todo em greve falando " passa um aspirador aqui"
Isa: o chão

28-QUAL SEU NÚMERO FAVORITO?
Rafa: 7
Isa: não tenho

29-ESPORTE FAVORITO PARA ASSISTIR?
Rafa: Todos de Half Pipe, skate, patins, bike.
Isa: futebol na Copa do Mundo e vôlei masculino

30-DIGA UMA COISA BOA SOBRE A PESSOA QUE TE ENVIOU:
Rafa: Eu sou apaixonado por esta pessoa, ela eh tudo de bom !!
Isa: Quem me mandou foi a Ana Luiza (morei com ela em Boston)e é uma daquelas amigas pra vida inteira. Adoro ela! Mas já que o blog é meu e do Rafa só tenho a dizer que eu adoro ele, morro de saudades sempre e não vejo a hora de estar pertinho.

31- PROFISSÃO?
Rafa: Designer/publicitário/tipógrafo/professor/pizzaiolo
Isa: Publicitária de formação e profissional de marketing na prática

34-UMA PAIXÃO?
Rafa: Isa
Isa: o Rafa !

36- TATUAGENS E/OU BRINCOS?
Rafa: Nenhum dos dois
Isa: Brinco

37- NOME COMPLETO, IDADE E NICK?
Rafa: Rafael Peixoto Ferreira - 35 anos - Rafa !!
Isa: Isabela Ramos Lopes Fernandes – 26 anos - Isa

39- VOCÊ GOSTA DA COMPANHIA QUE TEM NOS MOMENTOS VAZIOS?
Rafa: Hoje sim, e muito
Isa: Ou seja eu mesma... gosto.

40- JÁ TEVE UM AMOR PLATÔNICO POR UMA PESSOA REAL E ACESSÍVEL?
Rafa: Uma vez aconteceu de eu ficar platonicamente apaixonado pela mulher que fazia fisioterapia em mim......eu chegava lá e já ficava babando feito um panaca..ahahahaha
Isa: Já pelo meu professor de natação o Pedro. Eu tinha 17 e ele 32, qdo ele resolveu vir falar comigo eu cai fora... o lance era mesmo platônico. Qdo ficou acessível perdeu a graça – vai entender...

41- SE O SEU AMOR AMA VERDADEIRAMENTE OUTRA PESSOA, O QUE VOCÊ FAZ?
Rafa: Dou umas porradas na outra pessoa, surro o corpo dela e jogo no mato em um saco plástico, pego a pessoa que eu amo, a amarro em um quarto escuro em um lugar longínquo e a torturo até ela falar novamente que me ama !! (hahaahah). Para falar a verdade....toco minha vida para frente, depois de analisar tudo, hoje eh normal falar isso, pq aprendi como funciona o processo.
Isa: fico triste, mas aprendi que dor de amor dói MUITO, mas passa.

Tuesday, August 06, 2002

Efeitos da terceirização .
. Quando a infidelidade
não vale mais a pena .

Por Kika Salvi
. .
.
Depois de uma ou duas crises conjugais sérias, acho que todo mundo se faz a mesma pergunta: "Será que eu quero mesmo ficar com essa figura pelo resto da minha vida?" Ou, ainda: "Será que eu quero ficar só com essa figura?". Natural, não há nada de terrível nisso. Acho que poucos temas são tão pertinentes à vida de todo mundo quanto o da fidelidade. Ou, nesse caso, o da infidelidade (já que vamos mesmo chutar o pau da barraca, comecemos pela parte realista da coisa). É muito difícil ser fiel. Mas não é impossível.

Para alguns, é um valor importantíssimo.

Para outros, pura utopia.

E há quem defenda que é pura hipocrisia.Seja como for, todo mundo já passou, passa ou vai passar por esse tipo de questionamento.

Então, vamos a ele.
All you need is love .

Por Kika Salvi
. .
.
Pouco importa se você é moderninho ou careta. Se prega o amor livre (coisa meio fora de moda em tempos de aids) ou sonha em ter um longo e reconfortante casamento. No íntimo, somos todos um bando de bichinhos frágeis, ávidos por acolhimento e um bocado de carinho. Todos. E essa busca incessante norteia grande parte de nossa vida. Até que um dia a luz se faz, e damos de cara com a figura mais provável do mundo (ou aquela que parece por um instante ser a mais provável) para depositar todas as nossas expectativas românticas e desejos. Somos acometidos por uma necessidade implacável de estar perto desse ser que nos deixa enlevados, fazer tudo de bom para ele e, é claro, esperar que ele faça o mesmo pela gente. Pronto, taí um bom candidato a botar (ou receber) um belo par de cornos, muitíssimo a curto prazo, aliás.

Freud explica .

Por Kika Salvi
. .
.
É impossível gostar muito de alguém que pouco conhecemos. Ou melhor: impossível, não. É insustentável, isso, sim. Mas perfeitamente compreensível. A primeira coisa que salta aos olhos, claro, é a admiração física. Sem tesão não há paixão (nem solução, como já disseram), que em última análise é uma reação comportamental a um estímulo químico (ou seja: seu organismo reage ao ferormônio feminino com o sentimento de necessidade de ficar perto da mulher que o exalou. A partir daí você se empenha muito em promover a aproximação física dessa mulher estonteante que atraiu o seu olfato). Estabelecido o interesse químico, vem a segunda etapa da paixão: a fase das idealizações e projeções. Como a pessoa em questão é praticamente desconhecida, tudo o que afirmamos sobre ela não passa de inferências, às vezes desastrosas. Ela é quieta e contemplativa. Então, logo imaginamos que é sábia e sensível em vez de supor que seja insegura e sem assunto. Ela gosta de literatura e devora livros como ninguém, assim logo temos certeza de que se trata de alguém extremamente culto e reflexivo, em vez de imaginar que sua vida seja tão pobre e limitada que ela encontra na literatura o alívio para tanto tédio.

E assim, sucessivamente, fazemos de tudo para confirmar a boa impressão que tivemos de alguém cujo único atrativo real é um corpão gostoso, uma voz agradável e um repertório de gracejos convincente. Somos capazes de construir uma pessoa somente para realizar a urgência física e receber o pouco de carinho que acreditamos merecer.

Cadência previsível .

Por Kika Salvi
. .
.
Esse começo antes descrito é comum à maioria dos casais. Segundo cientistas, a paixão é um estado que não dura mais do que 18 meses, que seria o tempo necessário para que macho e fêmea se aproximassem, copulassem, ela engravidasse e parisse a cria. Nesse um ano e meio a continuidade da espécie estaria garantida. E, feito isso, o "amor" naufragaria, já que homem e mulher já teriam cumprido seu papel. Bem, tolices da ciência à parte, faz algum sentido. Mas faltou considerar o componente cultural da aproximação homem-mulher.

Somos herdeiros da tradição romântica e duvido muito que alguém em sã consciência não deseje o grande amor. Todos criam expectativas alucinantes em torno desse assunto. Alguns teóricos da psicanálise defendem que nascer é o primeiro e maior trauma da humanidade. E que passamos o resto da vida tentando reencontrar aquele estado de acolhimento, integração e saciedade que tínhamos no útero de nossa mãe. Não havia frio ou fome, muito menos medo. E rejeição, ninguém sabia o que era isso até ser expulso da barriga. Pronto, o estrago estava feito. Porque daí a coisa amorosa ficou tão comprometida justamente porque tinha a responsabilidade de resgatar um estado e uma tranqüilidade que, verdade seja dita, foi perdida para sempre. Basta estar vivo para sentir-se inseguro, e isso é tão verdadeiro quanto o fato de que ninguém um dia vai voltar para a barriga da mamãe. Nem ser tão amado e acolhido como foi por aquela que um dia nos pariu.

E a luz se fez .

Por Kika Salvi
. .
.
Passado o estado inicial de aparvalhados, o casal desperta inevitavelmente para a triste constatação de que se conhece muito pouco. Percebe manias no outro às vezes insuportáveis. Descobre que aquela doçura toda antes tão admirável agora soa como passividade, que não acha tão gostoso assim ficar em casa vendo TV e que preferiria honestamente estar na rua conversando com os amigos. Que aquele tom afável e tão acolhedor não passava de uma imensa dificuldade de dizer "não", e que seu vínculo com a família era muito mais uma atitude de inércia do que de afinidade com os parentes.

Esse é o momento mais perigoso da relação amorosa. É decisivo, pois é quando percebemos se há no que investir (e insistir, numa postura realista e dessa vez mais bem focada) ou se o melhor seria realmente cair fora. O problema é que poucos têm colhões para reconhecer a falência de um amor e vão levando com a barriga até que a casa caia, ou que tudo se torne apenas hábito.

Daí, o mais que esperado acontece: começamos a olhar para fora e fazer comparações. Isso pode ser muito cruel, mas acho que só a partir de um referencial estável (como um namoro longo ou casamento) somos capazes de enxergar quem de fato tem a ver com a gente. E é quando, também, se inicia a fase dos testes: do próprio erotismo (já que a crise conjugal quase sempre é acompanhada pela deserotização da relação), da capacidade de atrair e se comunicar com outras pessoas, da auto-estima e dos interesses deixados de lado em nome de uma vida em comum.

Muita gente nessa hora terceiriza o rala-e-rola. Porque é sempre mais cômodo tentar complementar uma relação esburacada do que preencher os seus buracos (sem duplo sentido, darling). Só que todo mundo se dá conta, mais cedo ou mais tarde, de que é uma balela essa conversa de "complementar por fora" o que falta dentro. Daí pira, se angustia, se frustra, sente culpa, sofre à beça com a falta de completude da história que escolheu.

Lavagem de roupa .

Por Kika Salvi
. .
.
Algumas coisas ficam muito claras para quem começa a rodar no mercado clandestino: que um corpo é só mais um corpo, um orgasmo é só um orgasmo e que não dá pra ser feliz fazendo de conta que está tudo indo bem.

Nessa hora só existem duas atitudes possíveis: abrir o coração com seu afeto e tentar encontrar, juntos, uma forma de melhorar a relação, ou cair fora e abrir (ainda que à base de muito sofrimento) a possibilidade de ser feliz em outra freguesia. Ah, sim, existe uma terceira: ligar no piloto automático o casamento (ou namoro ou o que o valha) e sassaricar pelo mundinho dos prazeres escusos sem ter muito trabalho de pensar a respeito. Só que, cá entre nós, isso é coisa de gente meio frouxa ou muito antiquada, de uma época em que não se esperava nada de uma relação além de poder dividir o mesmo teto e a mesma mesa com alguma segurança.

. .
.
. .

Cartilha amorosa .

Por Kika Salvi
. .
.
Infelizmente, não existe. E não seria eficiente se existisse, porque as experiências nesse departamento são fundamentais para que se aprenda a amar. É como dirigir, exercer uma profissão, criar um filho. Não dá para saber como é antes de fazer. Por isso, talvez essa ciranda de amores (e desamores, levando em conta as desilusões e os fracassos) seja absolutamente necessária para que uma parte nossa cresça e possa, algum dia, enxergar uma pessoa. Só então será real, equilibrado, haverá igualdade. Só então será amor. E isso só se aprende assim, experimentando e vivendo.


. .




Wednesday, July 10, 2002

Ah eu não sou bizarra não.... posso ser Paty, fresca e tudo mais. Pode editando esse "textinho" ai do lado, he, he, he.
Ehhhhhhh... consegui! Agora temos que inaugurar oficialmente. Temos várias trilhas sonoras mas aquela do Sa e Guarabira (ai meu Deus..... rs) de NY marcou presença, né?! Our first kiss... Vou ver se acho a letra para colocar aqui.